Nós ajudamos você a encontrar o carro ideal!

Bolsonaro está certo ao declarar guerra contra a “indústria da multa”?

Bolsonaro está certo ao declarar guerra contra a “indústria da multa”?

Algumas leis de trânsito parecem incomodar o presidente Jair Bolsonaro. Em 2016, quando ainda era deputado federal, o atual mandatário fez um projeto para revogar a lei que obriga o uso de faróis baixos em rodovia. Em um vídeo divulgado na época, ele usava a opinião de um motorista para justificar sua vontade, contrariada por especialistas. 

“Uma das regras básicas da segurança viária consiste em ver e ser visto. Quanto mais visível você estiver, mais seguro estará. Então o uso do farol baixo durante o dia ajuda muito na diminuição de acidentes”, explica Dênis Freire, consultor de direção preventiva.


O impacto do farol baixo nas estradas



Segundo números da Polícia Rodoviária Federal, entre 2016 e o ano passado foram aplicadas 1.796.733 multas por falta de uso dos faróis.

Em compensação, as mortes em vias de pista simples, onde a visibilidade é fator determinante para evitar acidentes, caíram de 51.480 em 2016 para 32.060 em 2018, uma redução de 37,7%. O órgão, no entanto, avisa que não pode colocar a redução na conta de uma legislação específica, já que outras medidas foram tomadas a fim de diminuir acidentes nas estradas. Um número que parece delimitar melhor o efeito da lei do farol baixo é o de colisões frontais em rodovias de pista simples. Este declinou de 5.262 em 2016, quando a lei entrou em vigor, para 4.926 no ano passado, uma redução de 6,4%.


Radares e lombadas eletrônicas na mira



Mas o presidente ainda defende outras propostas polêmicas. Em março, disse que ia acabar com as lombadas eletrônicas do país. No mês seguinte, cancelou a instalação de 8.000 radares em rodovias federais. 

“Sabemos que a grande maioria destes têm o único intuito de retomo financeiro ao estado”, disse em sua conta no Twitter.

“A não fiscalização do limite de velocidade fere a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde), que sugere a redução e controle de velocidade como forma de reduzir o número de acidentes fatais e feridos graves”, afirma José Aurelio Ramalho, Diretor-presidente do ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária). “No trânsito, a hierarquia e a disciplina são preceitos fundamentais, comuns a todos os condutores, e os radares e lombadas são formas de fiscalizar a conduta do motorista que fogem às regras e desta forma preservar vidas”, acrescenta.

Freire concorda com ele. “Com o fim ou diminuição de radares nas rodovias federais, o número de acidentes certamente aumentaria”, alerta. “A segurança viária é baseada em cinco pilares – resgate (equipes bem treinadas e disponíveis), veículos (modelos cinco estrelas em testes de impacto), engenharia (vias em boas condições de piso e sinalização), educação (campanhas de conscientização) e fiscalização (radares e agentes de trânsito)”, diz.


“Infelizmente, o Brasil ainda fica devendo em quatro deles – exceção feita às equipes de resgate, que estão entre as melhores do mundo, apesar de ainda serem em número reduzido para as necessidades brasileiras. E, no curto prazo, o pilar mais efetivo para a diminuição de acidentes é justamente o da fiscalização.” Quanto às lombadas eletrônicas, a justificativa do presidente foi a mesma. Bolsonaro disse em uma transmissão ao vivo pela internet que existe uma “indústria da multa” no Brasil e que os contratos dos aparelhos instalados não seriam renovados.


Fonte: Quatro Rodas

Postado em 27/05/2019. Alterado em 27/05/2019.